,

Fossa séptica biodigestora beneficia 57 mil pessoas no Brasil

Um levantamento inédito feito pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) revela a utilização de mais de 11 mil unidades da fossa séptica biodigestora. A mesma foi utilizada em mais de 250 municípios do país, nas cinco regiões, onde beneficia quase 60 mil pessoas, em especial as que vivem em zonas rurais. A principal aplicação do material é que ao se substituir as fossas convencionais pelas biodigestoras não há contaminação do solo e dos lençóis freáticos. Como exemplo, para a aplicação de uma residência para cinco moradores é instalada três caixas de mil litros e o produto final pode ser utilizado como fertilizante agrícola a ser aplicado no solo. As caixas devem ser semienterradas no solo para haver isolamento térmico e são feitas com fibra de vidro (ou algum outro material resistente).

Os materiais em PRFV (fibra de vidro) ou FRP (Fiberglass Reforced Plastic) atendem diversas necessidades de produtos especiais que necessitem de um material anticorrosivo pelo fato de possuírem um alto nível de pH (material ácido). Isto ocorre porque o PRFVFibra de Vidro – não sofre desgaste corrosivo em contato com esses materiais podendo durar cerca de 20 anos sem a necessidade de manutenção, o que gera uma economia muito grande de mão de obra e de gastos com a substituição do equipamento de uma forma preventiva.

São produtos da linha de fabricação da Tech Composites: Grade de piso injetada em fibra de vidro, grade de piso pultrudada em PRFV, canaletas e gradis em PRFV, escada tipo marinheiro em Fibra (com ou sem arco de proteção), saída tipo piscina, escadaria inclinada pultrudada, escada de acesso a tanques em PRFV atendendo a NR12, passarela em fibra de vidro, patamar de acesso em PRFV, grade para proteção de correia transportadora, grade protetora para motores, cantoneira em fibra de vidro, viga estrutural em PRFV, leito pultrudado para cabos, eletrocalhas em fibra para cabeamento, acessório de fixação em fibra de vidro.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *